terça-feira, 14 de março de 2017

Menina

Vi-te contar o dinheiro vezes sem conta
enrolado num saco de plástico
Estavas dois lugares à frente, mas foi impossível não olhar
Achei que querias ter a certeza que chegava…
Agora, não sei se sabias contar
Umas notas sujas, umas moedas corroídas...
Não chegou
As maças ficaram, o óleo ficou
Trocaste por farinha e pão
Nunca vou esquecer esse olhar doce e triste
olhando, quem sabe, o meu e outros cestos rasos de caprichos
Fiquei sem reação, quando vi metade da tua singela necessidade 
colocada de lado no balcão
Saí a pensar em ti, em te encontrar
Tinhas desaparecido no meu remorso de nada fazer
Desculpa, Menina.
Sou apenas mais um no rebanho



Março 2017

Sem comentários: